Páginas

sábado, 12 de maio de 2012

Dia das mães

Mãe é o amigo mais verdadeiro que temos quando a dificuldade dura e repentinamente cai sobre nós; quando a adversidade toma o lugar da prosperidade; quando os amigos que se alegram conosco nos bons momentos nos abandonam; quando os problemas complicam-se ao nosso redor, ela ainda estará junto de nós, e se esforçará através de seus doces preceitos e conselhos para dissipar as nuvens de escuridão, e fazer com que a paz volte aos nossos corações. Washington Irving Este será meu primeiro dia das mães e para comemorar acabei de chegar do Ultrasom! Como minha bebê está saudável, linda e perfeita! Não para um minuto! Desejo que ela seja tão companheira como sou da minha mãe. Um grande beijo à todas mamães e é importante lembrar que dia das mães é todo dia! Você que é mãe, e para voce que ainda será, um dia maravilhoso!! Que Deus ilumine as mães do mundo, pois elas são o princípio de tudo! FELIZ DIA DAS MÃES

Minha experiência com enxoval nos EUA

No final do ano passado antes mesmo de estar grávida passei vinte dias de férias nos EUA. Antes de ir comecei a pesquisar as lojas de bebês disponíveis na ultima cidade que eu ficaria hospedada. Entrei na internet, fiz um cálculo das coisas que eu iria comprar e o valor do frete.
No meu caso, como eu ficaria em Nova York compensava mais comprar pelo site da amazon. Eu anteriormente já havia efetuado algumas compras por este site e indico! Eles são super corretos! Você consegue rastrear aonde seu produto está, eles cumprem prazo e quando por algum motivo dá alguma coisa errada você consegue falar com eles facilmente pelo chat. Ah! E se ocorre algum problema eles devolvem seu dinheiro com tranqüilidade. A única coisa mais chatinha é que sua encomenda vem normalmente separada, então chega vários pacotes no local de entrega. Antes de comprar vale a pena entrar em contato com o hotel que você irá ficar hospedada e perguntar se é cobrado taxa por recebimento e avisar que irá chegar encomendas em seu nome. Para nada dar errado, na compra aonde você coloca o destinatário você coloca Guest (hóspede) antes do nome. Porque o hotel não sabe quem você é. Tentei fazer compras em outros sites e não indico. Um deles é a Baby R US que demorou muito para chegar, e a minha última compra que foi na Carters.
Nesta, eu efetue o pagamento e paguei para ser entregue em três dias para ter uma folga para a entrega e acabou chegando depois de dez dias. Por pouco (uma hora) não ficamos sem as roupinhas, pois nosso amigo que ficou de trazer, iria fazer o checkout para voltar para o Brasil. Mas tirando esse acontecimento, as roupas da nenêm chegaram certinhas. Tudo que eu comprei chegou, no tamanho certo, na cor...

O que eu acho que vale a pena comprar nos EUA:
- Carrinho de passeio com o bebê conforto - chupetas, mamadeiras, bomba de amamentação
- tapete de atividades da Fisher Price
- cadeirinha (swinger ou bouncer) um treme e o outro balança
- roupinhas - manta de algodão (a carters tem modelos lindo e ótima qualidade)
- berço desmontável para levar em viagens
- Pomada para seio Lansinoh (comprar 1 a 2 tubos) somente
- pomada para assadura AD+ (pote grande) ou tubos da Densitin
- Babá eletrônica com câmera ( eu comprei da sansung)
- móbile para o berço

O que não vale a pena:
- roupas íntimas, porque você não sabe o tamanho exato que você vai usar
- cinta pós parto
- decoração, pois é tudo bem diferente
- creme para evitar estria, porque no Brasil já tem alguns muito bons.
Comprei um da Mustela e não suportei o cheiro, além do valor alto.

Nos surpreendemos com a facilidade na volta. Voltamos pela Delta Airlines e tínhamos direito a trazer duas malas cada um. Eu estava com uma mala e a caixa enorme do carrinho lotada de roupinhas e meu marido estava com uma mala e a caixa do bebê conforto.
O rapaz que nos atendeu no aeroporto de NY queria cobrar pelo excesso de tamanho da caixa do carrinho, mas ele perguntou para a supervisora dele e ela viu que era coisas de bebê e liberou. Não pagamos nenhum excesso. E dependendo do que você irá trazer, acho que mesmo pagando o excesso de bagagem é vantagem! Só pelo fato que você já gastou com a viagem e não sabe quando você voltará.

Espero ter ajudado, qualquer dúvida estou à disposição pelo e-mail.
Beijos!
Paula

quinta-feira, 10 de maio de 2012

Vai para o exterior fazer o enxoval?

Fique atenta aos limites permitidos pela Receita Federal

Ana Paula Pontes e Cíntia Marcucci
Fonte: www.revistacrescer.globo.com
Guto Seixas
O número de casais que decide pegar um avião e fazer as compras em solo norte-americano é cada vez maior. Os motivos vão desde a busca por peças diferentes das vendidas por aqui até os preços que, para muitas coisas, são bem mais em conta, mesmo depois da conversão da moeda. Com a estabilidade econômica e a valorização do real em relação ao dólar, as viagens e as compras ficaram mais possíveis para todos os brasileiros. Mas é preciso ficar atento aos limites permitidos pela Receita Federal do que você não precisa declarar e da quantidade do que você pode trazer.

Segundo André Luiz Martins, auditor da Receita Federal, em um levantamento prévio, cerca de 30% das retenções de mercadorias são de vestuários. Não há um número específico para o enxoval, mas ele faz parte dessa porcentagem. Para você entender melhor como funciona, existem dois limites de bagagem: o financeiro e o quantitativo. Isto é, dentro do limite de US$ 500 em compras (que você não precisa declarar), você pode trazer até 20 itens abaixo de US$ 10 e 20 itens acima desse valor, totalizando 40 itens. E mais: nos itens abaixo de US$ 10 são permitidos até 10 idênticos e acima desse valor não mais que 3.

Se você vai trazer diversos bodies para o seu filho, por exemplo, mas eles são de modelos diferentes, não há problema. E uma dica: o que vem em kits, como aqueles que trazem três chupetas, cinco culotes, jogo de cama com lençol de baixo, de cima e fronha, por exemplo, é contabilizado como um único item de compra. Assim, é melhor mantê-los em suas embalagens originais.

Agora, se você ultrapassou o limite financeiro, mas respeitou as cotas de itens, é preciso declarar e pagar o imposto (50% do que excedeu os US$ 500). Já, se você comprou 100 peças, por exemplo, e o total de sua compra ficou abaixo do valor permitido, você precisa declarar. Mas ainda assim não vai poder levar todos os itens para casa na hora. “O que passar dos 40 itens vai para o armazém virar carga e há uma série de trâmites para retirar a mercadoria depois. Se ultrapassou a quantidade e não declarou, aí a pessoa vai perder o excedente mesmo”, disse André.

Vale lembrar que dentro dessa conta de itens, além do enxoval que você vai comprar, entra tudo o que adquirir fora do país, exceto o que é de uso pessoal, como algumas roupas que precisou comprar para usar enquanto viajava. Um exemplo é se você ficou 20 dias fora do país e precisou comprar dois ou três vestidos porque sua barriga cresceu durante esse período. “É preciso bom senso”, reforça André.
Vale a pena comprar o enxoval no exterior?

O carrinho sai mais barato, a babá eletrônica então, nem se fala. Realmente, comparar preços de eletrônicos e outras utilidades no Brasil e nos Estados Unidos é covardia. E a lista completa de um enxoval básico vai sair, sim, mais barata lá se for feita com produtos das mesmas marcas ou de qualidade similares. Só não se esqueça de levar em conta também a quantidade do que você pode trazer e o imposto a ser pago caso ultrapasse o valor de US$ 500 por pessoa.

Calcule, ainda, o quanto vai gastar de passagem (se tiver milhas, muito melhor), hospedagem, aluguel de carro e alimentação. A partir dos seus custos, você consegue avaliar a vantagem de sair do país com esse único objetivo. É preciso pensar também que, além do quanto as compras saem mais baratas, essa pode ser uma oportunidade gostosa para o casal viajar, passear e curtir. Caso seja o primeiro filho, vale aproveitar ainda os momentos a dois, que vão demorar um pouquinho para voltar.

O que levar em conta para se decidir pela viagem

- a fase da gravidez: médicos não recomendam viagens longas após a 36ª semana. E depois disso também fica muito cansativo "bater perna" em shoppings e outlets;

- a época do ano: na alta temporada (dezembro, janeiro, julho e agosto) passagens e estadia são mais caras;

- parcelamento: enquanto no Brasil dá para fazer o enxoval aos poucos, na viagem você terá de dispor de dinheiro para pagar muita coisa de uma só vez;

- o controle: os preços baixos e a sensação de que é a sua única chance de ter uma determinada coisa são um perigo para o bolso. É fácil perder o controle e comprar mais do que se precisa e coisas pouco úteis;

- as alternativas: muitos sites, como a Amazon, entregam no Brasil. Alguns produtos, mesmo depois de acrescido o frete, saem por bons preços.
Onde ir
Carter’s - a preferida para comprar roupas para os bebês. Aproveite para comprar também peças para quando o seu filho ficar mais velho, mas fique atenta às coleções e estações do ano, que são invertidas aqui e no hemisfério norte;

Babies R us - é um shopping com tudo que um bebê precisa e tudo o que ele não precisa, mas os pais sonham e querem!

Target - também é um daqueles shoppings com tudo (de roupas a eletrônicos), nesse caso não só para bebês e crianças. É recomendado pela maioria dos viajantes.

Será que você vai ter APP (ansiedade pré-parto)?

Os últimos dias que antecedem o parto podem parecer eternos, e os incômodos, junto com a vontade de ver a carinha do bebê, deixam você ansiosa além da conta. Veja aqui dicas preciosas para relaxar e esperar – com calma – seu filho nascer

Cristiane Rogerio

Westend61/gettyimages
Dizem que a gravidez dura, na verdade, oito meses e um ano, tamanha é a ansiedade que a mulher pode sentir nesse finalzinho da fase tão especial que é a espera de um filho. Se parou de trabalhar, então... A partir da 37ª semana, o bebê não é considerado mais prematuro, mas ainda assim é preciso aguardar até o final, em geral, a 40ª semana de gestação, para reduzir qualquer possibilidade de problema. Será que essa aflição toda pode prejudicar o bebê? “Não, ela sozinha não causa nenhum tipo de problema, nem mesmo antecipa o dia do parto”, afirma Lucila Evangelista, obstetra do Hospital Albert Einstein (SP). “A ansiedade também não pode ser motivo para desistir do parto normal. Deve ser uma decisão pelas condições de saúde da mãe e do bebê”, diz a ginecologista Carolina Ambrogini, da Unifesp. De qualquer maneira, esperar a tão sonhada hora H vai exigir paciência. Para você, aqui estão 12 dicas para curtir ao máximo esses últimos dias com o bebê aí na sua barriga.
1. Confira mais uma vez
Sim, você tem tudo pronto – da mala da maternidade à decoração do quarto –, mas foi na base da correria, certo? Então, eis o momento para retomar tudo com calma, conferir os itens mais importantes, curtir os detalhes... E ainda há tempo para uma aquisição de última hora.

2. Desvende a amamentação
Informe-se mais sobre o assunto, deixe de lado mitos, converse com outras mães, leia relatos para se sentir segura e proporcionar o melhor para seu filho.

3. Organize as fotos
Ótimo momento para arrumar aquela quantidade enorme de fotos digitais que você tem. Vale fazer álbum, ver o que vai para a parede ou montar uma exposição online.

4. Fuja das histórias trágicas
À essa altura você já sabe que o que não falta é alguém para contar uma história bem horrível sobre o parto. Corra! Não é hora mesmo de você listar na mente tudo de ruim que pode acontecer: pelo contrário. Até mesmo para sentir algo diferente na sua gravidez, é preciso estar calma e confiante.

5. Curta o primeiro filho
Veja só, são os últimos dias de filho único! Procure ficar bastante tempo com ele, fazer seus programas ou brincadeiras preferidas – será ótimo para os dois.

6. Um programa diferente por dia
Um para o cinema com as amigas; outro para um jantar romântico com o marido; uma visita à casa da mãe ou outro parente; um show em um barzinho calmo do tipo voz e violão: varie o cardápio de passeios na semana e divirta-se!

7. Relaxe no spa
Se você ainda não se deu ao luxo, é o momento. Ofurôs e banhos de imersão não são recomendados (a pressão pode cair), mas esfoliamentos e drenagens estão liberados.

8. Flutue
Sim, um dos maiores incômodos na gravidez é o de se sentir pesada demais. Um tempinho boiando na água de uma piscina, com a ajuda de um espaguete, por exemplo, com certeza fará você se sentir melhor.

9. Chás e sucos
Comer tudo que vê pela frente vai ser uma tentação. Mas, como durante toda a gravidez, a alimentação adequada conta do mesmo jeito. Chás de erva-doce, erva-cidreira e camomila, e suco de maracujá – além da velha e boa força de vontade – são ótimas alternativas para segurar a ansiedade.

10. Compartilhe nas redes sociais
Um dos sentimentos possíveis de qualquer grávida nesses últimos dias é o da solidão. Afinal, você está em casa, mas seu marido, a família e os amigos mantêm o mesmo ritmo de sempre. Contar o que está pensando ou fazendo pode ajudar muito. Afinal, vão chover comentários!

11. Mexa-se
O seu corpo está prestes a viver a experiência mais incrível de todas e é ótimo cuidar de cada pedacinho dele. Ioga, caminhadas leves diariamente e exercícios de alongamento são boas pedidas. Movimentações do ombro para trás, por exemplo, corrigem a postura e dão a sensação de alívio. É possível também pegar uma bolinha de tênis e circular sobre o ombro, com pressão suave. Peça para o seu marido!

12. Escolha um filme
Que tal um clássico como Cantando na Chuva para se desligar totalmente do assunto? No musical, humor e romance na medida certa para garantir duas horas de relaxamento. Outro imperdível é Meia-Noite em Paris, em que Woody Allen oferece uma viagem no tempo pela Cidade Luz. Fuja apenas dos dramas e tragédias.

FONTES: Carolina Ambrogini, ginecologista da Unifesp; Débora Araújo, criadora do Personal Bebê; Gizele Monteiro, diretora e idealizadora do Mais Vida Gestantes; Lucila Evangelista, obstetra do Hospital Albert Einstein (SP); Ivani de Souza Manzzo, fisiologista e personal coach especializada em gestação; Luis Alberto Nogueira, diretor de redação da revista Monet Agradecimentos às mães: Fernanda Leão; Natacha Ribeiro e Letícia Volponi .

Chegou a minha vez!!! Vou ter um bebê!

Trabalho com gestantes há pelo menos 6 anos, mas como doula (acompanhando partos há quase 4 anos) e sempre tive o sonho de ser mãe. Cada parto que eu acompanhava fazia com que essa vontade crescesse ainda mais.
Desconfiei que algo estava diferente, quando quase desmaiei, antes mesmo de atrasar a menstruação fiz um betaHCG e então, numa sexta -feira 13 recebi o resultado positivo.
Nossa... mesmo me achando super preparada, bateu um friozinho na barriga. Foi um misto de alegria e medo! Eu chorava sem saber se era de alegria, de alívio, de pavor...
Fiz uma surpresa para meu marido, comprei um pijaminha e um body juntamente com o resultado do exame entreguei para ele. Foi emocionante!
Meus primeiros três meses foram difíceis. Não eram os enjôos,mas o vômito que acabava comigo.
Confesso que fiquei deprimida. Não era nada fácil todo dia passar mal, quando me perguntavam como estava me sentindo com a minha "tão sonhada gravidez" eu dizia: estou me sentindo doente. Como se eu estivesse com uma virose que não passava.
Por estar me sentindo assim me isolei, não queria sair de casa para nada.
Ao mesmo tempo vinha a culpa, como pode você desejar tanto uma coisa e quando ela acontece você fica desse jeito?
Atendi muitas mulheres que passaram mal, eu tentava ajudá-las dando dicas (que comigo não funcionaram rsrsr) e dizia à elas que tudo isso passava e passa mesmo! Hoje nem me lembro mais!
Por conta desse turbilhão de emoções me ausentei um pouco do blog, mas agora estou de volta!
É de extrema importância você ter alguém do seu lado nessa hora, mesmo que seja só para te ajudar com as tarefas de casa, para fazer uma sopinha, para te ajudar a levantar do vaso sanitário. Como meu marido foi incrível!
Hoje, vejo que foi importante passar por tudo isso, pois consigo entender melhor as gestantes e os maridos, que sofrem com as nossas transformações.
Uma coisa que me surpreendeu foi a falta de ética e compreensão de alguns profissionais da área que para se promoverem quando descobriram da minha gravidez falavam para as gestantes que por eu estar grávida eu não conseguiria atendê-las. Triste né?
Antigamente, juro que isso me afetava,mas como a maternidade te faz ver as coisas com outros olhos e se preocupar com coisas e pessoas que realmente te importam.
Atualmente só faço as coisas que me dão prazer e mantenho contato com quem me faz bem!
Continuo aqui para ajudá-las!!

Gostaria de agradecer de coração à todas minhas queridas amigas por se preocuparem comigo, por todo carinho e pela força!

Carinhosamente,
Paula e Agatha