Páginas

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Perguntas e respostas sobre o banho do bebê

Perguntas e respostas sobre o banho do bebê
Getty Images

Um time de especialistas esclarece as principais dúvidas sobre esse momento de tanta intimidade entre pais e filho

1) Por que começar o banho lavando a cabeça? O bebê não passará frio?
O banho do bebê começa pelos cabelos por uma questão de higiene. O couro cabeludo é um dos lugares onde a sujeira mais gosta de ficar. Ao lavá-lo por último, ela passará pelo corpo do bebê, que já está limpo. Começando pelos cabelos, você não corre esse risco. Antigamente, era recomendado embrulhar o bebê em uma toalha, lavar o rosto e o cabelo e só depois colocá-lo na banheira. Algumas maternidades e alguns especialistas notaram que isso é muito trabalhoso, principalmente para os pais de primeira viagem. A sugestão é iniciar pela cabeça, mas já com o bebê na banheira. Mantendo o local do banho aquecido - portas e janelas fechadas -, o bebê não passará frio. Não demore para retirá-lo da banheira.
2) É preciso lavar a cabeça do bebê todos os dias?
Como os recém-nascidos ainda podem ter fragmentos do parto, sim, o indicado é lavar todos os dias. Crostinhas que costumam aparecer no couro cabeludo também precisam ser eliminadas. Passe um pouco de óleo antes do banho para amolecer e ela saíra na lavagem. Pode demorar alguns dias para sair tudo, o é normal. Depois do primeiro mês, em dias muito frios, você até pode deixar o cabelo fora do ritual. Mas apenas se observar que ele está limpo, sem restos de leite, comidinhas, pomada...
3) Faz mal não trocar a água da banheira durante o banho?
Para os médicos, não há problema em deixar o bebê sem enxágue. A explicação é simples: eles não possuem tanta sujeira a ponto de comprometer a água do banho, mesmo levando em conta os cabelos. Isso só vale se os pais fizerem uma boa higiene nas partes genitais antes de colocar o bebê na banheira. O objetivo é não contaminar a água com restos de fezes e urina. Sobras de leite e papinhas também devem desaparecer. Outra dica é usar pouco sabonete. Se a criança regurgitar, defecar ou urinar durante o banho, nada de preguiça: limpe-a, troque a água da banheira e inicie tudo novamente.
Quando o bebê começa a engatinhar e tiver acesso a toda a sujeira do chão, o banho muda: você deixa o chuveirinho ligado e o ralo da banheira aberto, assim a água é trocada. No fim, pode enxaguar o bebê.
4) Que tipo de sabonete usar?
Os mais populares são os dois em um, específicos para bebês, usados como sabonete e xampu. Eles são suaves, têm cheiros deliciosos e são oferecidos por várias marcas de produtos infantis. Mas não são uma unanimidade. Os dermatologistas preferem os sabonetes neutros de glicerina, pois apresentam menos riscos de alergia. Você pode usar um ou outro para ver qual é o melhor. Atenção: use apenas produtos específicos para bebês. Continuar com o mesmo que foi usado na maternidade pode ser uma boa ideia. Afinal, seu filho já tomou, pelo menos, dois banhos com ele. Converse com as enfermeiras: se não ocorreu nenhuma alergia, vá em frente.
5) Qual o melhor lugar para dar banho?
É aquele em que você consegue montar a banheira, tem espaço de manobra para o banho e, se possível, ainda consegue organizar todo o material de troca de roupa. Pode ser no próprio banheiro. Principalmente a banheira for do tipo que vem com trocador - você tira o bebê da água, enrola ele em uma toalha e abaixa a tampa. Ou improvisa um trocador em cima de um armário baixo ou sobre a pia - e tome muito cuidado com o recém-nascido! Outra opção, um pouco mais trabalhosa, é levar a banheira para o quarto. Você também pode limpá-lo no banheiro e trocá-lo no quarto, dependendo da temperatura do dia. O importante é observar se os locais escolhidos não exigirão que você fique curvada, o que prejudicará sua coluna ao longo do tempo. No frio, e se o bebê tiver mais de dois meses, é possível usar um aquecedor. Espere o ambiente atingir 24, 25 ºC e desligue-o.
6) Qual o melhor momento para o bebê tomar banho?
O horário em que os pais estão mais disponíveis e descansados é sempre o melhor. O banho é um momento de interação da família, de grande prazer para o pequeno e até de checagem geral, já que você poderá observar todo o seu corpinho. Precisa ser delicioso. Escolha uma hora calma, sem compromissos agendados. Isso vale para qualquer pessoa que vá fazer a higiene, incluindo parentes, babás e empregadas. Deve-se tentar dar o banho no horário mais quente do dia e por volta do meio-dia nas épocas mais frias. Em outros meses, você escolhe. Deixar o banho para noite é uma boa opção, já que o bebê se acalma e dorme tranquilo.
7) É possível dar mais de um banho por dia?
Não há uma regra, principalmente no Brasil, onde a temperatura muda muito conforme a região. É necessário apenas um, mas em locais muito quentes, como o Nordeste, pode ser necessário um segundo e até um terceiro banho. Dependendo da quantidade de regurgitadas da criança, da bagunça com a papinha e do tempo em que ele ficou se arrastando/engatinhando no chão, pode ser preciso voltar para a banheira. Atenção: dê apenas um banho com sabonete para não correr o risco de ressecar a pele. Os outros são apenas água e carinho. Banhos fazem milagres com bebês irritados...
8) É necessário dar banho todos os dias?
Não somos europeus. Com nossa temperatura média, o ideal é tomar banho todos os dias. Como recém-nascidos não se sujam, não suam, em dias muito frios - e também naqueles mais atrapalhados -, não há nenhum perigo em pular o banho desde que você faça uma versão de gato antes de dormir: limpe os genitais, passe lenço umedecido ou algodão com água nos pezinhos, nas mãozinhas, no pescoço e coloque uma roupa limpa. Bebês maiores também podem passar por isso se não foi um dia muito sujo...
9) Qual é a temperatura correta para a água do banho?
O ideal é que ela esteja entre 36 e 37 ºC. Como saber? Ou você compra um termômetro específico para banheiras ou faz como a maioria dos pais: coloca o antebraço na água e calcula se está adequada, isto é, morna. Esse "adequada" pode variar conforme a temperatura do dia, ser mais quente em dias frios e vice-versa. Com o tempo, você descobrirá que seu bebê tem preferências. É só observar em qual temperatura ele parece mais calmo. Não se preocupe, pois o pequeno avisa o que sente: se a água estiver muito quente, ele vai chorar assim que molhar os pezinhos - você deve colocar o bebê na banheira começando pelos pés e não pelo bumbum. Quando a água está muito fria, sua boquinha ficará acinzentada. Atenção: verifique sempre a temperatura da água antes de colocar o bebê na banheira e não faça banhos longos, pois a água esfria.
10) Qual a quantidade ideal de água?
Esse é um assunto capaz de deixar os pais tensos. Água demais pode fazer o bebê se assustar e você perder o controle em manter sua cabecinha fora de perigo. Enquanto que água de menos pode fazê-lo passar frio. O ideal é colocar água até que, com o bebê deitado em seus braços, ela fique na altura do umbigo. Com o tempo e conforme o bebê crescer, você ficará mais seguro e pode achar outro nível mais agradável para os dois.
11) Como devo lavar a banheira?
Depois de alguns banhos, a banheira pode apresentar uma crostinha de gordura. Isso é normal, mas se organize para lavar esse acessório uma vez por semana, pelo menos. Use a parte amarela da esponja, sabonete neutro ou detergente. Não utilize álcool, que pode comprometer o material da banheira.
12) Colocar brinquedos na banheira é permitido?
Como o banho é uma hora divertida, eles são ótimos acessórios. Podem entrar em cena lá pelo quarto mês, quando o bebê já é capaz de brincar com eles. Bichinhos, livros e copinhos fazem o maior sucesso. Mas fique de olho na segurança e na higiene. Nada de peças pequenas. Os objetos devem ser de plástico, com selos de segurança e de fabricantes conhecidos.
13) Quando começar a usar o chuveirinho?
Não há nenhum problema em usar o chuveirinho já na banheira. Com recém-nascidos, isso requer segurança dos pais e espaço para manobras. O bebê pode adorar ou ficar muito assustado. Teste antes a temperatura da água - lembre-se de que um jato de água é diferente da água parada da banheira. Se possível, regule a potência do jato para ficar mais agradável para a pele sensível do pequeno. Para agradar a criançada, existem bocais de chuveirinhos em formatos divertidos, como bichinhos.
14) A partir de quando é possível usar xampu e condicionador?
Não há a necessidade de usar esses produtos em recém-nascidos. Os sabonetes específicos para crianças são capazes de higienizar de maneira correta o corpo e o cabelo do bebê. Nessa fase, quanto menos química entrar em contato com ele, melhor. O xampu pode ser usado depois dos 6 meses. Deve ser destinado ao público infantil, neutro e com o mínimo de corantes e perfumes. Use bem pouquinho. Condicionadores ficam para mais tarde, com cerca de 2 anos, quando o cabelo crescer e se realmente necessitar de um produto para deixá-lo mais maleável. Outra opção, também para mais tarde, são os xampus dois em um, que contêm uma quantidade de condicionador e, por isso, são uma ótima ideia para crianças que não gostam de lavar a cabeça - o ritual fica mais rápido.
15) é permitido usar secador no cabelo do bebê?
A tentação de usar esse acessório quando o dia está frio é muito grande. Seja para ajudar o ambiente a ficar mais aquecido - ele atua como um aquecedor -, seja para realmente secar o cabelo do bebê. Nem pense nisso antes dos 6 meses. O ar quente pode agredir a pele do seu filho e você nem notará isso. Depois, ele pode ser usado para secar o cabelo, sempre com a temperatura morna e a distância entre um e outro, maior do que 50 centímetros. O processo precisa ser muito rápido, apenas para tirar o excesso de água dos fios.
16) é necessário usar um tapete antiderrapante ou acessórios de apoio na banheira?
Precisar mesmo, não precisa. Basta segurar o bebê da maneira correta durante o banho e ele estará bem. Enquanto algumas pessoas acham que é mais um item para atrapalhar as manobras do banho, outras preferem utilizar acessórios dentro da banheira para aumentar a sensação de segurança. O tapete antiderrapante, como diz o nome, é um tapetinho geralmente de borracha, cheio de relevos, que impede o bebê de escorregar no fundo liso da banheira. O apoio é feito de plástico e possui uma inclinação imitando a posição que o bebê ficaria em seus braços. Pode ter um fundo antiderrapante e ventosas nos pés. Os dois devem ser higienizados com sabonete ou detergente neutro para evitar o acúmulo de sujeira. Usá-los ou não é uma questão de gosto.

Fontes

Dermatologista Francisca Estrela Dantas Maroja, da Sociedade Brasileira de Dermatologia, em São Paulo;
Pediatra Hamilton Robledo, do Hospital São Camilo, em São Paulo;
Enfermeira Natália Turano Monteiro, da Maternidade do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.
www.bebe.abril.com.br

Visitas na maternidade: o jeito certo de se comportar

Visitas na maternidade: o jeito certo de se comportar!
Getty Images


O nascimento exige protocolos que vão além das lembrancinhas e presentes. Bom senso e respeito são as palavras de ordem. Se você está prestes a ganhar um bebê, que tal enviar esta reportagem, “despretensiosamente”, aos seus familiares?

Seja breve! Essa é a recomendação mais básica para os visitantes. Vale lembrar que o bom senso prega não visitar nenhuma família de recém- nascido se estiver com febre, resfriado, doença respiratória ou contagiosa. E, acrescenta-se nesta listinha: não levar crianças menores agitadas, daquelas que correm e gritam pelos corredores da maternidade.

Bem, essas dicas soam óbvias demais, mas especialistas garantem que elas ainda são muito valiosas. Sim, há muitas pessoas que não se preocupam com o tempo de permanência e, na ânsia por conhecer o bebê, esquecem-se dos malefícios daquele resfriadinho, tão comum nos dias de hoje.

Num país como Brasil, onde tudo acaba em festa, o nascimento muitas vezes entra na tradição cultural para tudo começar, também, em uma grande festa. Por isso, todo cuidado é pouco na hora de pensar em quem convidar, logo no pós-parto. Ser breve, por exemplo, pode ser impensável para amigos muito calorosos, alegres e acostumados aos velhos cafezinhos do interior, onde os filhos nasciam em casa.

A pediatra Clery Bernardi Gallacci, do Hospital e Maternidade Santa Joana, esclarece que ser breve significa ficar no máximo 15 minutos dentro da maternidade. E, detalhe, caso haja alguma intervenção da equipe médica, a orientação é se retirar do quarto. “Esse período é de recuperação do parto. Os informes médicos são importantes e a presença de uma visita pode dispersar a atenção da mãe. É preferível a pessoa se ausentar do e, na saída do profissional, despedir-se da família”, recomenda Dra. Clery.

Preparando as visitas
É válido dedicar um tempinho para descobrir como a nova família deseja ser recebida. E, para os novos papais, mesmo que desejem festejar, vale pensar na seleção e quantidade dos convidados. Lembre-se: a maternidade é um lugar para a recuperação. Portanto, para poucos e com bom senso.

Pessoas com as quais a mãe tem mais intimidade e liberdade para dizer, por exemplo, que tem sono e precisa dormir são sempre bem-vindas à maternidade. Já colegas de trabalho e parentes mais distantes podem conhecer o bebê pela internet e visitar a família somente após o primeiro mês de rotina em casa, aconselha a doula Ana Paula Garbulho, que atende vários casais grávidos no curso de Cuidados com Bebê e Pós-parto, que ela ministra na cidade de São Paulo.

Ela conta que não conheceu nenhum casal que tivesse o desejo de receber todo mundo na maternidade. O desafio é sempre inverso: como comunicar à família, amigos e colegas que a mãe e o bebê precisam de repouso?

“Eu sempre jogo essa responsabilidade nas costas do pai, que geralmente entende seu papel de proteger a nova família dos parentes, amigos e colegas mais distantes ou inconvenientes”, responde Ana Paula. Já para aqueles mais incompreensivos, a doula indica usar a recomendação médica como justificativa para evitar a visita. “Ninguém vai ficar com raiva do médico”, brinca. Outra sugestão é enviar um email aos colegas de trabalho, amigos e parentes com a foto do bebê e um recadinho de que a família estará com as portas abertas para receber a todos, depois do primeiro mês de vida em casa.

Palpites e Amamentação
Prepare-se! As opiniões indesejadas virão de todos os lados. Mas, elas podem e precisam ser filtradas “Digo sempre que palpites não são pedidos, mas oferecidos de graça. É importante a mãe fazer uma seleção daquilo que lhe faz bem e descartar aquilo que lhe é destrutivo”, ensina a doula.

A pediatra do Hospital e Maternidade Santa Joana diz que parentes mais próximos, como mãe e sogra, devem esclarecer suas dúvidas ou sugestões com a equipe médica, no interior do quarto, na frente da família, antes de recomendar suas vivências. Ana Paula ressalta que uma boa maneira de ajudar é respeitar o aprendizado da nova mãe.

“Cada um tem seu momento de criar o filho e o aprendizado deve ser natural. Cada mulher precisa descobrir pela própria experiência qual vai ser o jeito de amamentar, trocar, brincar e me comunicar”, observa Ana Paula.
A amamentação é um dos alvos prediletos das visitas palpiteiras. O que pode ser muito bom para mãe e o bebê, se elas souberem dar apoio. Lígia Moreiras Senas, doutoranda em Saúde Coletiva da Universidade Federal de Santa Catarina, diz que palavras de incentivo, amorosas e muita paciência são atitudes que contribuem muito, na hora da amamentação. “É bom ressaltar, também, que uma mãe precisa de exemplos. Não vai ajudar em nada o palpite de uma pessoa que não amamentou seus filhos e se vangloria de que eles sobreviveram”, exemplifica Ligia.

10 Regrinhas básicas para visitas na maternidade
1-Não vá à maternidade se estiver resfriado, com febre, doenças respiratórias ou contagiosas. Não visite o bebê, enquanto não estiver são.

2- Pergunte ao casal quando e onde eles preferem receber sua visita.

3- Seja breve. Não ultrapasse 15 minutos na maternidade e visite a família em casa somente após primeiro mês de vida por, no máximo, meia hora.

4- Antes de comprar flores, verifique com pai se a mãe gosta de recebê-las ou se há alguma contraindicação médica na maternidade.

5- Não leve crianças muito agitadas, que correm e gritam pelos corredores.

6- Não dê palpites sobre o jeito certo de criar o recém-nascido. Suas palavras de incentivo devem contribuir para mãe descobrir um jeito próprio de criar o filho.

7- Visitas íntimas, como mãe e sogra, devem dar suas sugestões ou esclarecer dúvidas diante da equipe médica.

8-Lave as mãos ou passe álcool com gel na hora em que entrar no quarto da. Resista à tentação de pegar o bebê no colo.

9- Retire-se do quarto, caso haja uma intervenção da equipe médica.

10 – Tire foto somente com a permissão dos pais.

Fonte: Celia Santos
www.bebe.abril.com.br