Páginas

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Técnicas para amenizar a cicatriz deixada pela cesárea

É fato que o parto normal é melhor para o bebê e para a mãe. Mas, mesmo assim, muitas mulheres precisam (ou optam mesmo) pela cesariana. Fora toda a recuperação mais complicada, um dos problemas desse tipo de cirurgia é a cicatriz.


No entanto, não há motivo para grandes preocupações. "A maioria das chances é que a cicatriz fique ótima, especialmente após 12 meses do parto, pois hoje os médicos têm como uma de suas prioridades o resultado estético da cirurgia", afirma a dermatologista Ligia Kogos.

A especialista explica que o método utilizado para fechar o local aberto durante a cirurgia geralmente é eficaz. "Os pontos feitos com fio fino e delicado, na maior parte dos casos, passam por dentro da pele, o que chamamos sutura intradérmica. Para retirá-los cerca de uma semana ou 15 dias depois, o obstetra apenas puxará uma das pontas".

Mas mesmo com os avanços da medicina e um obstetra cuidadoso, a nova mamãe pode ter certas complicações estéticas. "Em algumas pacientes, dependendo da propensão do organismo, a cicatriz da cesárea pode inflamar e se tornar um quelóide ou uma cicatriz hipertrófica", explica Rubens Penteado, cirurgião plástico e diretor do Centro de Medicina Integrada, em São Paulo.

A cicatriz hipertrófica é apenas um engrossamento da cicatriz comum, enquanto o quelóide, menos comum, é uma cicatrização volumosa que às vezes ocorre em algumas partes do corpo, como barriga, tórax, braços e lóbulos da orelha. "O quelóide pode surgir espontaneamente ou após uma lesão tecidual decorrente de trauma ou infecção. Algumas vezes, um eventual fator desencadeante pode passar despercebido. É mais comumente observado nos negros e orientais, embora também possa aparecer na raça branca", fala o médico.

Para tratar esta cicatrização volumosa, orienta Ligia, tentam-se primeiramente pomadas ou cremes à base de corticóides. "Se não houver melhora, faz-se infiltração delicada com agulhas finíssimas de um coquetel de substâncias que fazem com que a cicatriz volte ao normal, mesmo que já haja decorrido muito tempo".

Depois de 12 meses, a mamãe conta ainda com outras substâncias que ajudam a "apagar" a incômoda cicatriz, como aponta Rubens. "O ácido retinóico, bem como outras substâncias podem, através de um peeling local, ajudar na melhora da cicatriz, sempre sob a orientação de um dermatologista".

Problemas como aquela "barriguinha" provocada pelo afundamento da pele na área da cicatriz podem ser resolvidos com recursos modernos como as injeções de ácido hialurônico (Surgiderm, Juvederm, Restylane) que tornam o relevo homogêneo e ainda estimulam a produção de colágeno na pele profunda. "Introduzindo a agulha sob a cicatriz, os dermatologistas "quebram" a fibrose que repuxa a pele da área", explica a dermatologista Ligia.

Ela também cita aparelhos como o Starlux, que alia radiações luminosas pulsadas e ablativas e é usado em tratamentos à base de luzes e de laser, quando ainda sobra uma linha que incômoda ou se visualizam vasos avermelhados no fundo da cicatriz.

Após a cesariana, alguns cuidados são importantes para evitar qualquer complicação. É indicado, por exemplo, que a paciente continue usando uma fita de micropore ou silicone sobre a cicatriz nos 30 dias que sucedem a retirada dos pontos. Isso diminui a tensão na região e evita o desenvolvimento de cicatrizes hipertróficas e quelóides.

Outra dica é evitar a exposição ao sol, pois os raios solares estimulam a irritação da cicatriz. Se for necessário pegar um solzinho, "o uso de filtro solar de pelo menos FPS 15 é fortemente recomendado, não só nas moças claras, mas especialmente nas morenas, mulatas e orientais, que podem desenvolver pigmentação escura na cicatriz se esta for exposta precocemente ao sol", diz Ligia.

Mas ainda que a paciente tome todos os cuidados direitinho, ela deve lembrar que uma cicatriz nunca desaparece, porque é uma resposta do organismo a uma agressão sofrida. "Ocorre que algumas pessoas desenvolvem cicatrizes de tão boa qualidade que são pouco perceptíveis", finaliza Rubens.

Hoje o Brasil é o país que mais realiza cesarianas através de planos de saúde. Segundo a Agência Nacional de Saúde (ANS), 85% dos partos feitos por meio da rede particular foram cesáreos. Considerando também a rede pública (que isolada somaria o percentual de 26%), em 2008 as cesáreas em nosso país representaram 40% de todos os partos. Os percentuais são bem elevados se comparados ao índice estabelecido pela ANS, de apenas 15%.

Fonte: terra

Nenhum comentário: